Racismo na Promoção da Igualdade

Combate ao Racismo Institucional

Home Produção Cultura Negra Legado Projeto Quintino Parceiros Trabalhos Universitário Blog do Luiz Otávio

 

Prefeitos da Metrópole Santistas.

Não entrem em enganação e não continuem usando o espaço público para que seja aumentada a violência através do racismo interpessoal.

O mundo caminha para o aperfeiçoamento moral, não deixa de ser orgulho ser um dos colaboradores, nesse caso, 2º Encontro Metropolitano de Promoção da Igualdade Racial processo que se desenvolve no pais firmado nas decisões da III Conferência Mundial, Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlatas que o Estado Brasileiro é signatário e decidiu o seguinte:

Lembrar os crimes do passado e contar a verdade sobre a história são elementos essenciais para a reconciliação e a criação de sociedades baseadas na justiça, igualdade e solidariedade.

Partimos do pressuposto é a Cultura que define a IDENTIDADE  a PERSONALIDADE, assegura o EXERCÍCIO DA CIDADANIA e a QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL a quem de direito.

Sendo que para continuarmos a caminhar para o aperfeiçoamento moral a educação é indispensável, há que se faça cumprir dentro do setor público os Direitos Humanos que consta na Declaração Universal com a finalidade de  EMPODERAR as pessoas, ou seja, fazer com que elas sejam as donas de suas próprias vidas para fazerem o que quiser delas – e não ficarem apenas como vítimas que aguardam esmolas. As pessoas devem ser as protagonistas, os “atores e atrizes principais” das suas próprias vidas.

Esse “EMPODERAMENTO” significa, principalmente, que as pessoas não podem ficar esperando que um salvador da pátria chegue para “conceder” os direitos humanos, que todos já possuem.

Direitos Humanos nascem do reconhecimento do valor e da dignidade da pessoa humana. Essa dignidade de todas as pessoas significa que o ser humano vale pelo que é, por ser humano, por ser pessoa. Esse valor é inegociável. Não pode ser comprado ou vendido. Todo ser humano merece respeito. Tem DIREITOS HUMANOS!!!

Se o compromisso publico é o da promoção da Igualdade Racial e étnica e cabe ao povo reivindicar seus Direitos Humanos,  através das associações.

A Representação da Comunidade Negra parte viva da história,  jamais pode continuar ser ignorada em relação aos Direitos Humanos e impedida através da violência de fazer parte do Processo Metropolitano de Promoção da Igualdade Racial porque Direito Humanos, caminho indispensável para Negros e Sambista passarem a ser parte no Processo Nacional de Promoção da Igualdade Racial SINAPIR.

A maior parte dos envolvido com a Promoção da Igualdade Racial e Étnica na Região da Metrópole Santista são advogados, infelizmente como iniciantes que nem na comunidade participam, jamais pode falar em fortalecimento do Processo de Igualdade, enquanto os advogados integrados, na formação do Processo Regional continuarem ignorando a observância de preceitos ético-disciplinares da categoria.

Estatuto da Advocacia diz que “o advogado deve proceder de forma que o torne merecedor de respeito e que contribua para o prestígio da classe e da advocacia”.

Impõe também, que “o advogado é obrigado a cumprir rigorosamente os deveres consignados no Código de Ética e Disciplina”.

Agindo da forma como estão procedendo, advogados negros da Região da Metrópole Santista, principalmente os que estão ocupando a condição de Coordenadores da Promoção da Igualdade Racial, ao não fazer valer o respeito a lei, usando a imagem e o nome da categoria para através da usurpação se tornarem elementos superiores em relação ao direito de ir e vir da Representação da Comunidade Negra,  estão se tornando cúmplice da pratica do racismo.

Estes profissionais da advocacia, bem como os coordenadores da promoção da igualdade racial que não são advogados, homens e mulheres, ao não considerar o Exercício da Cidadania da Representação da Comunidade Negra e que seja efetivo os comandos constitucionais, ou seja, ao atuarem descaradamente como sejam “capitão de mato implantando a escravidão moderna”, cabem serem responsabilizados pelo dano à honra e à moral, ao estarem usando o cargo para prejudicar a Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra no Processo de Promoção da Igualdade Racial.

A Comissão da Verdade da Escravidão Negra criada pela OAB é que iniciou a fortalecer os segmentos representativo para que venha a ser transparente esta verdade.

Clique na figura e conheça mais...

 

 
     

 

 

 
 

Home | Produção Cultura Negra | Legado | Projeto Quintino | Parceiros | Trabalhos Universitário | Blog do Luiz Otávio

Webmaster: Luiz Otávio de Brito

 

Início do Site 21 de março de 2000, Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial

 

Direitos da Produção de Cultura Negra, protegidos pela Lei Federal Nº 5.761 de 27 de abril de 2006 a qual trata do Programa Nacional da Cultura e Lei Federal Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 a qual trata dos Direitos Autorais no Brasil.